Publicado em

Simplificando o Big Data

Primeiro vamos começar falando sobre o que é o Big Data. Resumidamente, Big Data é um conceito moderno em ascendência que explora a utilização massiva de dados que tratados de forma técnica e estratégica, se revertem em informações muito valiosas responsáveis por transformar negócios. Ao longo desta publicação terão exemplos que irão facilitar a síntese sobre o assunto.

Imagine, uma estrutura preparada para coletar informações do perfil do seu público alvo de forma detalhada, renda média, idade, atividades que fazem parte da rotina, incluindo horário, opniões sobre os temas relevantes ao seu negócio, postura, perfil de compra, sazonalidade e mais uma série de dados que podem fazer diferença. Simplificando, o vendedor de guarda-chuvas que fica atento a metereologia, pode trabalhar menos e ter melhores resultados que um vendedor que simplesmente oferta o produto. Concorda?

Outro exemplo, dessa vez mais expressivo é sobre o Alibaba, que estava sofrendo com a perda de diversos negócios em decorrência de expressiva oferta de produtos piratas, ou fraudes que resultavam em perda de confiança dos clientes. A solução para reduzir a quantidade de anúncios falsos foi a criação de algorítimos que identificam tendências de fraude nos casos de grandes diferenças de preços de produtos similares por meio da avaliação de imagens, descrições, logomarcas e etc…  A Netflix também utiliza informações do Big Data para identificar perfís e sugerir em sua tela inicial, qual filme, ou série combinam mais com cada pessoa.

Os exemplos anteriores definem muito bem como Empresas que utilizam dados podem tomar decisões e alterar o rumo dos negócios. Mas e os empreendedores, também  podem utilizar o Big Data? A resposta é sim. Não há como negar que o potencial de empresas de grande porte faz com que a capacidade de processamento de dados seja imensa, mas os meros mortais, podem trabalhar com volumes menores de dados que também farão grande diferença. Basta trabalhar para identificar tendências que irão agregar valor na sua mineração de dados, e buscar a informação que precisa. Essa é a hora de deixar um pouco de lado a EXECUÇÃO e dedicar mais tempo com REFLEXÃO e PLANEJAMENTO. Por exemplo. O vendedor de coxinha, que precisa reduzir um pouco os custos, pode identificar por meio de pesquisas que a redução de 15% da matéria prima na produção da coxinha, não irá resultar em percepção negativa de seus clientes. Mais uma vez, ponto para a gestão de informação.  Quer saber um pouco mais sobre Gestão de Dados e o Big Data? Entre em contato conosco. Recomendo a leitura da matéria sobre Dashboards, que tem uma grande relação com Big Data. Boa leitura.

Clique aqui para ler a matéria sobre Dashboards